Ele era muito solitário, um homem ocupado, vida corrida, não tinha tempo para as pessoas afinal de contas. Funcionário público, desquitado, nenhum filho. É em um pequeno apartamento alugado de um prédio de classe média que mora hoje, amargurando todos os dias que aquele bairro já fora mais tranquilo. Ele era até mais cuidadoso com as suas coisas, mas depois de alguns anos morando sozinho decidira consigo que não valia a pena gastar tanto tempo arrumando a casa. Os móveis hoje acumulam uma tênue linha de poeira, e as louças na pia da cozinha não são lavadas há uma semana.

Continuar lendo “[CONTO] As Luzes das Janelas”