Ele construiu ali o seu templo.

Não era uma casa com tijolos e telhado.

Mas era uma morada bem construída

Dentro do coração de outra pessoa.

Onde estivesse, não importava.

Se com ele carregava a sua casa.

Bens físicos? Desapegado.

Mas o seu verdadeiro lar era muito bem decorado.

Chegava com seus enfeites e o tomava cada vez mais para si.

Tinha mais de um lar atual.

Havia também aquele que sempre foi intrínseco à sua existência.

Mesmo antes de vir ao mundo morava nele.

Que outras pessoas se encarregaram de construir.

Era mesmo como um templo pessoal.

Não era perfeito, mas era ideal para ele.

O tamanho certo e a mais aconchegante cama.

Mas, um dia, um caminho diferente resolveu seguir.

E, de seu lar, se afastou.

Sofreu, cresceu e aprendeu com a dor.

Percebeu que não é possível partida

De onde mora o amor.

Hoje, sorri quando se lembra

Que o melhor de qualquer ida

É poder sempre voltar para casa

Seja em qual formato ela for.

¨¨

Se você gostou dessa poesia, talvez poderá gostar de…

– Jornada de um dia

– A Despedida

– Ignorável Alucinação

 

Anúncios